Por que o Facebook é azul?

Entenda um pouco a ciência das cores no marketing

Por que o Facebook é azul? De acordo com a revista The New Yorker, o motivo é simples. É porque Mark Zuckerberg é daltônico e não percebe a distinção entre vermelho e verde. Isso significa que o azul é a cor que ele enxerga melhor. Em suas palavras, Zuck diz: “azul é a cor mais rica para mim. Eu posso ver tudo em azul”.

Não é tão científico, certo?  Bem, embora o caso do Facebook não seja “o caso”, existem vários bons exemplos de como as cores de fato influenciam nossas decisões em uma compra. Afinal, a visão é o sentido que se desenvolveu com mais força nos seres humanos. É natural que 90% da avaliação de um produto correspondam ao quesito cor.

Então como as cores nos afetam e o que é a ciência das cores no marketing de verdade? Como nós também estamos querendo melhorar o Buffer*, essa foi uma parte essencial para aprendermos mais. Vamos mergulhar em alguns dos estudos mais recentes sobre o assunto.

Primeiro: você consegue reconhecer as marcas online levando em conta apenas as cores?

Antes de mergulharmos na pesquisa, aqui alguns ótimos experimentos que mostram como a cor sozinha é poderosa. Baseado apenas nas cores dos botões, você consegue identificar a qual companhia pertence cada um?

Exemplo 1 (fácil): Exemplo 2 (fácil): Exemplo 3 (médio):
ex1 ex2 ex3

 Exemplo 4 (difícil):

ex4

Esses são exemplos do designer do Youtube, Marc Hemeon. Eu acho que mostra o verdadeiro poder das cores, mais que qualquer estudo consegue. Quantos você consegue acertar? Todas as respostas estão no final do texto**.

Quais cores despertam quais sentimentos em nós?

O que as cores despertam em nós nem sempre é óbvio. A Logo Company desenvolveu um ótimo quadro explicativo sobre quais cores são melhores para determinadas empresas e o motivo. Aqui alguns bons exemplos:

quais cores

Especialmente se nós dermos uma olhada no que as maiores marcas estão usando, muitas escolhas se tornam óbvias. É claro que todas essas empresas têm o objetivo de despertar uma emoção específica:

guia emocional

Especialmente quando queremos comprar algum produto, as cores podem representar um papel essencial. A empresa de análises KISSmetrics criou um infográfico sobre a ciência das cores e como elas influenciam nossas compras.

Especialmente o papel do verde se destaca como a cor mais relaxante e pode ser utilizada para tornar o processo mais fácil. Na verdade nós não escolhemos essa cor intencionalmente para a Buffer, mas ela tem se saído muito bem até agora.

Em uma segunda olhada, também percebi que o preto é bastante utilizado em produtos de luxo. Claro, é sempre óbvio se pensarmos bem. Aqui o infográfico completo:

Como melhorar o seu marketing com o uso das cores

compre

Isso parece mero entretenimento, mas o que de fato pode ser aplicado nos sites ou apps? A resposta ainda está por vir a partir de alguns bons camaradas da KISSmetrics. Se você está construindo um negócio cujo objetivo é atrair mulheres, aqui um conselho da KISSmetrics para você:

– Mulheres amam: azul, roxo e verde

– Mulheres odeiam: laranja, marrom e cinza

mulher

Caso o aplicativo seja voltado apenas para homens, as regras do jogo são um pouco diferentes:

– Homens amam: azul, verde e preto

– Homens odeiam: marrom, laranja e roxo

homem

Outro bom experimento da Performable (agora HubSpot), quis saber se apenas mudar a cor de um botão faria diferença. Eles começaram com a simples hipótese de escolher entre duas cores (verde e vermelho) e tentaram adivinhar o que aconteceria.

Para verde, a intuição deles foi: verde passa ideia de natural e meio ambiente, é amplamente utilizado nos sinais de trânsito para sugerir “siga” ou o movimento em frente.

Para vermelho, as conclusões foram: a cor vermelha, por outro lado, comunica excitação, paixão, sangue e atenção. Também é utilizada como sinal de pare. Vermelho também é conhecido por chamar atenção.

Então, no teste A/B entre verde e vermelho, a cor campeã certamente foi a verde, por ser mais amigável. Isso foi o que eles acharam. O botão vermelho superou o verde por 21%.

performable

É importante ressaltar que nada foi mudado, além da cor do botão: mais pessoas (21%) clicaram no botão vermelho, que no verde. Todo o resto continuou igual na página. Então foi a cor que fez a diferença.

Isso me fez pensar. Se nós fossemos ler todas as pesquisas antes desse experimento e perguntássemos a cada pesquisador qual versão se sairia melhor, tenho certeza de que a maioria responderia verde. Não tanto.

Na minha empresa, a Buffer, nós conduzimos vários experimentos para melhorar nossas taxas de conversão por meio da mudança das cores. Embora os resultados não fossem tão claros, nós vimos uma grande mudança. Uma hipótese é que para uma ferramenta de compartilhamento em redes sociais, o uso das cores seria menos uma barreira para conseguirmos cadastros.

Apesar de todos os estudos, generalizações são extremamente difíceis de fazer. Qualquer mudança que você fizer, trate primeiro como uma hipótese e veja qual o experimento funciona de fato para você.

Último fato rápido: por que hyperlinks são azuis? Isso é algo que sempre me interessou e é de fato uma boa história. É para dar o melhor contrate entre o azul e o cinza dos websites.

Aqui está uma explicação completa:

“Tim Berners-Lee, o grande inventor da web, é conhecido também por ter feito os hyperlinks azuis. O Mosaic, um antigo browser de internet, dispunha as páginas em um fundo cinza (horrível) e o texto preto. A cor mais escura disponível na época, que não era o mesmo preto do texto, era a cor azul. Então, para destacar os links no texto, e ainda assim mantê-los fáceis de ler, a cor azul foi selecionada.”
(Bennet Feely, Quora.com Discussion)

Eu acho extremamente fascinante a maneira como manipulando um fator tão simples como uma cor podemos interferir tanto na experiência das pessoas. O que você descobriu em termos de cores e marketing? Eu adoraria ler suas ideias sobre isso. Deixe seu comentário.

*Aplicativo social que agrega diferentes redes sociais e foi desenvolvido pelo autor do artigo.

**Respostas do desafio: Exemplo 1: Facebook, Exemplo 2: Google, Exemplo 3: Flickr, Exemplo 4: LinkedIn

Leo Widrich é o co-fundador do Buffer, um mecanismo inteligente para o compartilhamento de conteúdos no Twitter e no Facebook. Outros textos do autor sobre eficiência e satisfação dos clientes no blog do Buffer. Siga-o no Twitter. Ele é um cara legal!

Fonte: administradores.com.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

82 empresas têm inscrições abertas para estágio

Para quem mira uma vaga de trainee ou estágio, confira as oportunidades disponíveis nos programas com inscrições abertas em ordem crescente de término do prazo.

Sascar – trainee
É preciso ser formado entre dezembro de 2012 e dezembro de 2014 para se candidatar. Além disso, é exigido ter inglês fluente, domínio de informática e mobilidade para residir em outra cidade ou estado durante e após o programa. Os cursos procurados são administração de empresas, ciências contábeis, ciências econômicas, estatística, economia, engenharias (automação, civil, computação, elétrica, eletrônica, produção, mecânica, mecatrônica, telecom), sistemas da informação e afins.

Salário: não informado
Inscrições: até 22 de setembro pelo site do programa

Pátria Investimentos – estágio
As oportunidades são universitários dos cursos de administração, contabilidade, engenharia, estatística, economia, física, matemática, ciências atuariais, que tenham inglês avançado. As vagas envolvem as divisões de negócios da empresa, como Advisory-M&A, Capital Management (Hedge, Equities e Crédito), Private Equity, Private Equity Infraestrutura e Private Equity Real Estate e Sales. O programa tem duração de 12 meses (o contrato pode ser renovado por mais 12 meses) e o início do estágio está previsto para janeiro/15 (ou anteriormente, de acordo com a disponibilidade da área e do aluno).

Salário: não informado
Inscrições: até 22 de setembro pelo site da Cia de Talentos.

Leia a matéria na íntegra e saiba quais são as outras empresas.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Lições do Batman para as empresas

A velocidade com que as mudanças acontecem no mundo corporativo pode não assustar mais. Contudo, para muitas marcas ainda é difícil acompanhar este ritmo. E nesta hora é bom aprender com a experiência de um senhor que neste ano completa 75 anos de muito sucesso: o Batman.

Com os diversos meios de comunicação disponíveis nos dias de hoje – TV, rádio, revistas, jornais e, principalmente, a internet e as redes sociais – como as empresas devem decidir qual o melhor meio para se comunicar com o seu público? Vale a pena estar em todos os lugares?

O Batman nos mostra que é importante aproveitar as diferentes plataformas para dar mais abrangência ao discurso. O herói nos quadrinhos é um na série de TV e outro diferente do cinema. Ou seja, a marca deve adaptar seu conteúdo à linguagem de cada público.

Leia a matéria na íntegra.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Aumenta interesse do consumidor brasileiro por café gourmet

Antes destinados à exportação, grãos especiais são utilizados por pessoas que buscam diferenciação em um dos produtos nacionais mais tradicionais. Mercado mira nas classes A e B.

Novos hábitos de consumo, informações mais acessíveis, modismos cada vez mais breves e tecnologias sendo criadas a todo momento mostram as transformações pelas quais a sociedade passa. A produção de café no Brasil também sofreu mais uma reviravolta, chamada de terceira onda, com o crescimento da procura por grãos especiais. Cada vez mais gourmet, a bebida ganha toques sofisticados e agrada a uma parcela da população que busca diferenciação em um dos produtos nacionais mais tradicionais.

Interessou-se pela notícia? Leia-a na íntegra aqui.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

15 de Setembro, Dia do Cliente.

Eu sou o homem que vai a um restaurante, senta-se à mesa e pacientemente espera, enquanto o garçom faz tudo, menos o meu pedido. Eu sou o homem que vai a uma loja e espera calado, enquanto os vendedores terminam suas conversas particulares. Eu sou o homem que entra num posto de gasolina e nunca toca a buzina, mas espera pacientemente que o empregado termine a leitura do seu jornal.

Eu sou o homem que, quando entra num estabelecimento comercial, parece estar pedindo um favor, esperando por um sorriso ou apenas ser notado.

Eu sou o homem que entra num banco e aguarda tranquilamente que as recepcionistas e os caixas terminem de conversar com seus amigos.

Eu sou o homem que explica sua desesperada e imediata necessidade de uma peça, mas não reclama enquanto os funcionários trocam idéias entre si ou simplesmente abaixam a cabeça e fingem não me ver.

Você deve estar pensando que sou uma pessoa quieta, paciente, do tipo que nunca cria problemas. Engana-se.

Sabe quem eu sou?

EU SOU O CLIENTE QUE NUNCA MAIS VOLTA!

Divirto-me vendo milhões sendo gastos todos os anos em publicidade e propaganda, para levar-me de novo à sua firma.

Quando fui lá, pela primeira vez, tudo o que deviam ter feito era apenas  a pequena gentileza, tão barata, de me tratar com um pouco mais de CORTESIA”.

Sam Walton, fundador do WAL MART, em discurso para seus funcionários num programa de treinamento da empresa.

“CLIENTES PODEM DEMITIR TODOS DE UMA EMPRESA, DO ALTO EXECUTIVO PARA BAIXO, SIMPLESMENTE GASTANDO SEU DINHEIRO EM ALGUM OUTRO LUGAR.“

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter