A realidade para inovação que muitos se negam a ver

Observando o mundo corporativo, e principalmente o universo de tecnologia, é fácil  perder a noção do que pode estar acontecendo ao redor das empresas, sem que elas percebam. Após vários anos de sucesso e crescimento, a rotina dentro de uma empresa acaba se tornando a única realidade concebível, até as margens começarem a diminuir e alguns perigos baterem à porta. Talvez seja a hora de tirar os óculos e ver o que está acontecendo lá fora.

Já temos evidências suficientes para saber que a quarta revolução industrial está em curso. A internet das coisas já gera quantidades massivas de dados, que propriamente aplicadas serão capazes de mudar atitudes e transformar a natureza dos negócios. Um dos resultados disso tudo é a mudança na maneira como nos relacionamos com outras pessoas, cada vez mais por meio de apps e redes sociais. Embora, no início, toda revolução industrial esteja disponível apenas para um pequeno grupo de indivíduos, esse descompasso é diminuído com o passar do tempo. Foi assim com o vapor, com a energia elétrica, com os transportes, com as telecomunicações e com a internet, que está agora, prestes a alcançar 5 bilhões de usuários. É muito mais do que qualquer tecnologia já conquistou.

Com tudo isso acontecendo, as empresas devem refletir sobre a continuidade dos seus negócios. A reflexão deve passar por perguntas como a transformação digital afeta a forma como minha empresa realiza negócios? Há tecnologias disruptivas em curso que podem afetar minha margem e a sobrevivência do meu negócio? Há tempo de reagir? Estou tecnologicamente preparado para enfrentar os desafios futuros? Como tornar a inovação uma constante em minha empresa?

Saiba mais.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

6 estratégias que ajudam a fidelizar o consumidor na sua loja virtual

Faça contato direto: Estabelecer um relacionamento com seu cliente é uma forma de criar proximidade, conhecê-lo melhor e gerar empatia. “Esse contato pode acontecer das mais variadas formas: tratando o cliente pelo nome, enviando um e-mail personalizado ou um lembrete de que uma mercadoria que estava em falta já está disponível”.

Aposte no e-mail marketing: Segundo o Sebrae, essa ferramenta é responsável por 52% das vendas on-line concretizadas. Portanto, ela não deve ser menosprezada. “O e-mail marketing não serve somente para angariar novos clientes, como também é uma ferramenta efetiva para fidelizar pessoas, se utilizada da maneira correta”.

Gere conteúdo de valor: Não economize em vídeos e posts no blog da empresa. “Por meio desses canais, é possível oferecer aquilo que seu consumidor fiel procura. É preciso criar conexões reais entre você e seu cliente, oferecer conteúdo relevante, gerar valor na vida das pessoas. Uma vez feito isso, vender será uma consequência”.

Ofereça descontos: Os vouchers com ofertas e promoções podem ser remetidos à base de clientes de diversas formas: por cupons via e-mail, dentro de um banner ou como recompensa. “Se for optar por essa estratégia, não tente enganar ninguém: dê descontos reais”.

Mantenha chat on-line e atendimento eficiente: “Faça os consumidores sentirem-se exclusivos aos olhos da sua marca e você com certeza irá faturar com vendas extras que não estavam previstas”.

Mostre credibilidade: As pessoas querem estar seguras de que compraram de uma fonte segura e confiável e que, com isso, fizeram o melhor negócio possível. “Para isso, é sempre bom dar destaque aos seguintes aspectos em sua loja virtual: uma boa área ‘sobre a empresa’ no site, selos de segurança e presença nas redes sociais, além de políticas de entrega, trocas e devoluções claras. Tendo tudo isso, sua credibilidade será construída naturalmente, com o tempo e a satisfação no consumo”.

Leia a matéria na íntegra.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Governo busca experiências internacionais em plano sobre Internet das Coisas

A ideia é ter a opinião de quem gostaria de investir no mercado brasileiro e evitar a construção de uma iniciativa que só exista no Brasil, sem interfaces com o que existe em outros países.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações quer ouvir investidores e pesquisadores internacionais para colher sugestões para a elaboração do Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT), que deve ser lançado em setembro. A ideia é contar com a expertise de especialistas, pesquisadores, empresas e desenvolvedores brasileiros e estrangeiros para contribuir com o plano, que vai prever ações para desenvolver tecnologias de IoT no Brasil até 2022.

A Internet das Coisas (em inglês, Internet of Things – IoT) designa a rede de objetos que se comunicam e interagem de forma autônoma, via internet. As aplicações são diversas e incluem desde o monitoramento de saúde, o controle de automação industrial, até o uso de dispositivos pessoais conectados. Com a IoT é possível, por exemplo, monitorar e gerenciar operações a centenas de quilômetros de distância, rastrear bens ou detectar mudanças na pressão sanguínea de um diabético

Leia mais sobre o assunto.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Projeto de lei quer liberar caça de animais selvagens no país

Em pleno século XXI, como se não houvesse nada mais importante, as autoridades brasileiras se dão ao luxo de discutir na Câmara dos Deputados um projeto de lei para regulamentar a caça de animais silvestres no Brasil.

O autor do projeto é o famigerado deputado federal Valdir Colatto, do PMDB de Santa Catarina, que justifica o tema em razão dos perigos de animais invasores de fazendas produtivas.

Está na Folha.

 

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Pesquisadores confirmam: planta dente de leão destrói células cancerosas sem prejudicar as saudáveis

Uma pesquisa do Departamento de Química e Bioquímica da da Universidade de Windsor, no Canadá, deu resultados surpreendentes que significam uma nova esperança para pacientes com câncer. O estudo descobriu que a raiz de certa planta medicinal mata células cancerosas, sem quaisquer outros efeitos nocivos sobre as células normais do corpo.

O bioquímico Siyaram Pandey, da equipe de pesquisadores que realizaram a pesquisa, disse que resolveu fazer a investigação após uma sugestão de uma oncologista da Windsor, Dra. Caroline Hamm, que havia notado que alguns pacientes com câncer que tinham bebido o chá dessa planta pareciam estar ficando melhor.

O mais incrível para eles foi o fato de que as células não cancerosas foram totalmente preservadas. Em outras palavras, o extrato de raiz da raiz da planta destruía apenas as células cancerosas, o que não acontece com a quimioterapia.

Resultado de imagem para planta dente de leão

Folhas da planta são comestíveis em saladas.

Seu nome científico é Taraxacum officinale, mas a maioria a conhece pelo nome “dente-de-leão”.

Os pesquisadores experimentaram o extrato dela em outros tipos de células cancerosas in vitro (culturas de laboratório) e obtiveram os mesmos resultados.

Um exemplo de cura

De acordo com o Natural News, John Di Carlo, de 72 anos, havia sido submetido a sessões intensas de quimioterapia para lutar por sua saúde e, após três anos de tratamento sem sucesso, foi desenganado e enviado para casa para passar seus últimos dias com seus entes queridos.

Então, John, que sabia das propriedades do dente-de-leão, começou a beber o chá da raiz da planta como um último esforço para lutar contra o câncer. Esta era uma última tentativa do homem, já que a quimioterapia não tinha resolvido e os médicos não ofereciam outras opções para tratar o câncer.

Segundo informa Natural News, depois de quatro meses de consumo do chá da raiz de dente-de-leão, John estava curado da doença.

Como fazer o chá

Imagem relacionada

Raiz do dente de leão.

INGREDIENTES: 2 colheres (sopa) da planta (de preferência a raiz) e 1 litro de água.

MODO DE PREPARO: Coloque a erva e a água para cozinhar. Quando a água atingir o ponto de fervura, tampe a panela e abafe por cerca de dez minutos. Depois disso, coe e o chá estará pronto para ser bebido.

Fontes da matéria: Universidade de Windsor e Natural News

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Não parecem, mas são cheias de açúcar

Pronto! Basta uma frutinha e lá se vai a sua dieta, principalmente para aqueles aos quais o açúcar é prejudicial.

Fonte: minhavida.com.br

O suco natural é, de fato, saudável, mas devemos lembrar que para fazer um copo de suco precisamos de várias frutas”, afirma a nutricionista Cátia. Assim, o segredo para não extrapolar na quantidade de açúcar e de calorias é moderação. Prefira ainda sucos de frutas que têm grande quantidade de água, como a melancia e o melão. Por fim, evite acrescentar açúcar. “Aprenda a apreciar o açúcar da própria fruta”, afirma a profissional. Para exemplificar a quantidade de açúcar, separamos o suco de goiaba.
100 g de suco de goiaba (pouco menos do que metade de um copo) = 14,81 g de açúcar.

Granola: Aparentemente saudável, a granola costuma ser extremamente calórica e rica em açúcar”, afirma Cátia Medeiros. A mistura de frutas secas, grãos e sementes muitasGranola - Foto Getty Images vezes é acrescida de açúcar refinado, o que pode agradar o paladar, mas prejudicar a dieta. Prefira versões sem frutas secas e com açúcar mascavo que, embora calórico, oferece mais nutrientes do que a versão refinada.
100 g de granola = 26,22 g de açúcar. 

Cereal matinalCereais podem ser amigos da dieta, desde que você saiba escolher o melhor produto, de acordo com a nutricionista Cátia. Nas prateleiras há inúmeras opções. Comece descartando aqueles com chocolate, coberturas ou acompanhamentos. Procure, então, as versões integrais. Por fim, busque integrais que não apresentam açúcar de adição. Para tornar a refeição ainda mais rica, adicione frutas.
100 g de cereal matinal de milho em flocos = 38,02 g de açúcar.

Gelatina: Se você sente que fez uma opção saudável ao trocar uGelatina - Foto Getty Imagesm pedaço de bolo ou torta por um copinho de gelatina pode estar se enganando. Em 2009, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor avaliou 11 opções de gelatina sabor morango, sendo quatro na versão tradicional, quatro na versão diet e três na versão zero. A conclusão foi de que o alimento continha muito açúcar ou era acrescido de adoçantes, o que fazia dele contraindicado para crianças e gestantes. Confira a média de açúcar encontrado em diversas marcas desse doce:
120 g de gelatina de morango = 7,9 g de açúcar.

Suco de caixinha: Um estudo divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no fim de 2010 mostrou que alguns sucos de caixinha chegam a apresentar mais açúcar do que refrigerantes. Por isso, a ideia de que sucos são sempre saudáveis não é uma verdade absoluta. Por outro lado, entretanto, sucos costumam oferecer nutrientes e vitaminas, ao contrário dos refrigerantes, nos quais nada é aproveitado. “As pessoas acabam adotando sucos de caixinha por sua praticidade, mas, sempre que possível, opte pela versão natural”, afirma a nutricionista Cátia. Os dados abaixo foram apresentados no estudo da Anvisa.
100 ml de suco de caixinha = 11 g de açúcar.

Frutas secas: Frutas secas também podem fazer parte da dieta, mas com moderação. “Como a água foi retirada do alimento, elas têm mais nutrientes e açúcar concentrados”, afirma a nutricionista Amanda. Segundo ela, 30 g de frutas frescas equivalem a uma fruta inteira, sendo que muitas vezes acabamos consumindo um pacotinho que costuma ter 90 g, ou seja, três frutas. “No organismo, a frutose tem o mesmo efeito de qualquer açúcar: eleva a glicemia e, por isso, ele também deve ser consumido com parcimônia”, complementa.
100 g de fruta seca ou desidratada = 38,12 g de açúcar.

Ketchup: Condimento adorado principalmente por crianças, o ketchup têm grande Ketchup - Foto Getty Imagesconcentração de açúcar. Para não colocar a dieta em risco, portanto, consuma com moderação. “Prefira ainda aqueles que apresentem o selo ‘Minha Escolha’, que indica que o produto passou por avaliações mais rigorosas quanto às taxas de sal, açúcar, gorduras saturadas e gorduras trans“, afirma a nutricionista Cátia. Evite ainda estimular crianças a comer alimentos apenas porque estão acompanhados de ketchup. Ele não deve ser consumido diariamente.
100 g de ketchup = 22,77 g de açúcar.

Iogurte: Algumas marcas apresentam grande quantidade de açúcar em iogurtes naturais e até mesmo nas versões desnatadas”, afirma a nutricionista Amanda. Por isso, certifique-se não só de que ele é menos gorduroso como ainda de que não tem açúcar. Deixe de lado opções com complementos de chocolate, caldas e confeitos. Parar deixar o alimento mais saboroso, bata no liquidificador com frutas frescas. A própria fruta adoça o iogurte.
100 g de iogurte = 13,04 g de açúcar.

Barra de Cereal: O selo saudável também não pode ser aplicado a todas as barras de cereais. “Algumas delas contêm grandes quantias de açúcar, principalmente as de frutas”, diz a nutricionista Amanda Epifanio, do Citen, em São Paulo. Ela recomenda evitar ainda opções com chocolate, que costumam ser mais gordurosas. Segundo a profissional, uma boa barra de cereais precisa apresentar mais de 2 gramas de fibras em sua composição, menos do que isso indica que ela é feita basicamente de carboidratos.
100 g de barra de cereal = 37,40 g de açúcar.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

O Brasil na matemática

Napoleão Bonaparte escreveu que o avanço e a perfeição da matemática estão intimamente ligados à prosperidade do Estado. Fonte.

Em contrapartida, o Brasil está entre os piores no ranking mundial de educação, em 65º lugar entre 70 países avaliados em matemática, pelo PISA, em 2015. Estamos atrás de países como Trinidad e Tobago, Costa Rica, Qatar, Colômbia e Indonésia.

A prova é feita em países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e nações convidadas, entre elas o Brasil.

Enquanto especialistas defendem o investimento maior na capacitação e reconhecimento dos professores, o governo caminha em sentido contrário desvalorizando a classe com baixíssimos salários.

Brasil, pátria educadora?  Será?

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Inbound Marketing: o casamento entre a publicidade e o conteúdo

O Inbound marketing, em uma tradução literal para o português poderia ser chamado de ‘marketing de entrada’, mas também tem sido conhecido por alguns como ‘marketing de atração’ ou o ‘novo marketing’.vian34

Focado na conquista de clientes e não na venda de produtos e serviços, a estratégia baseia-se na produção de conteúdo de qualidade para ser compartilhado com o público potencial, por meio de técnicas do marketing online. Segundo os dados da Hubspot, 58% das empresas brasileiras estão praticando o Inbound Marketing, e 92% dessas companhias obtêm um retorno positivo.

Como funciona?

A metodologia do Inbound Marketing segue uma sequência lógica de etapas. Toda estratégia de sucesso deve passar pelas seguintes fases: Atração, Conversão, Fechamento e Encantamento. Essas etapas se complementam de forma inteligente.

Atração – Atrair um determinado público com conteúdos relevantes distribuídos em blogs, redes sociais, e-mails marketing, entre outros canais.

Conversão – Entregar esses conteúdos relevantes solicitando, em troca, alguns dados pessoais (nome, e-mail, telefone). Isso pode ser feito com de CTA’s (call-to-action), landing pages e formulários.

Fechamento – O trabalho de Atração e Conversão é propício para fortalecer o fechamento. Note que se um lead consome seus conteúdos relevantes, existe uma chance muito grande de ser um cliente em potencial.

Encantamento – Manter o contato, solicitar feedbacks, ofertar novas oportunidades e compartilhar dicas são fundamentais para transformar o seu lead em cliente e defensor da marca.

Leia mais.


Share this page via Email


Share this page via Stumble Upon


Share this page via Digg this


Share this page via Facebook


Share this page via Twitter


Share this page via Email


Share this page via Stumble Upon


Share this page via Digg this


Share this page via Facebook


Share this page via Twitter


Share this page via Email


Share this page via Stumble Upon


Share this page via Digg this


Share this page via Facebook


Share this page via Twitter

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

5 dicas para abrir uma startup no Brasil

Em tempos de recessão e crise econômica, abrir uma startup é uma das melhores maneiras de entrar no empreendedorismo.

1. Encontre um propósito
Não importa se a sua startup irá desenvolver um aplicativo, criar um produto ou prestar um serviço: é necessário um senso de propósito. O empreendedor deve ter uma “visão de amplitude do negócio”, defende o professor Oscar. Para ele, a primeira coisa que o se deve ter em mente é o problema da sociedade que será resolvido com sua ideia. “É preciso ter um propósito. O motivo de um negócio não pode ser apenas o lucro, esse é um motivo muito fraco”, explica.

2. Faça um bom plano de negócios
É com o plano de negócios que o empreendedor poderá estabelecer, claramente, todos os seus objetivos e a visão da startup. Ele serve como um guia, uma referência para todas as metas, desde o desenvolvimento do negócio às estratégias de marketing que serão empregadas. O contexto em que a empresa pretende se inserir também é importante: o professor Oscar afirma que o empreendedor precisa entender exatamente “onde ele entra no tecido de negócios da sociedade”.

3. Prepare-se para mudanças
Por mais concreta que seja a ideia de seu produto ou serviço, esteja preparado para realinhar estratégias durante o caminho. Com o crescimento da startup, é normal que novas demandas ou ideias surjam para aperfeiçoar seu negócio. O professor Oscar explica que é importante ser flexível para evoluir e aconselha que você encare seu negócio como uma versão “beta”. “Esse termo, que vem da tecnologia da informação, descreve bem nossa realidade. Beta é aquilo que está em teste, que está sendo avaliado. Tudo cabe melhorar, nada está pronto. Tudo continua em evolução, por isso é importante ter um negócio beta”, afirma.

4. Busque incubadoras ou parques tecnológicos
As incubadoras e aceleradoras são aliadas essenciais para quem deseja abrir uma startup. Elas oferecem apoio aos empreendedores, desde auxílio com salas e laboratórios até acompanhamentos em questões jurídicas, estratégicas ou de marketing. Para Kronmeyer, esses ambientes são valiosos porque oferecem o espaço para que os empreendedores troquem ideias e experiências, além de permitirem o networking. “É um ambiente ótimo, porque eles conseguem entrar nesse espiral de evolução”, afirma.

O professor comenta também sobre a importância dos parques tecnológicos, destacando o Tecnosinos, parque parceiro da Unisinos. “Os parques têm um trabalho extraordinário, porque, normalmente, fazem a ligação universidade-poder público-empresas. São lugares que formam jovens, que ajudam aqueles empreendedores que estão dispostos a correr riscos, mas não têm estrutura para isso”, explica.

Além disso, os parques atuam como uma espécie de vitrine de exposição para os empreendimentos, atraindo investidores. Para o especialista, o melhor caminho para se conseguir investimento para sua startup é ficando exposto, já que os investidores olham para parques e incubadoras em busca de negócios prósperos. “Os investidores ficam em busca de negócios que podem acelerar. É um lugar onde eles encontram uma variedade grande de negócios, e assim podem selecionar as oportunidades de investimento”, explica. Segundo ele, muito mais do que aspectos como o ROI (retorno sobre investimento) e payback, o que investidores veem é a possibilidade do futuro do negócio.

5. Persista
A persistência é condição para se sair bem em qualquer área. No caso das startups, Kronmeyer aponta a “resiliência do espírito empreendedor” como um fator determinante para o sucesso. “Você não pode ser uma pessoa que desiste na primeira tentativa. O normal é precisar de várias tentativas, de vários ciclos”, afirma o professor.

O cenário brasileiro ainda não dá valor suficiente à experiência. “O Brasil ainda precisa aprender a valorizar o erro. Nos EUA, se alguém diz que já declarou falência com um negócio, essa pessoa chega até a ser admirada, porque isso mostra que ela tem experiência, que já amadureceu. Aqui no Brasil, essa pessoa é percebida como fracassada. É preciso saber que startup é um negócio que precisa ter vários ciclos, pode ser difícil dar certo na primeira tentativa. Tem que continuar tentando”, explica. Por isso, a persistência é a chave, e nenhuma falência deve ser encarada como um desastre, mas como uma experiência adquirida.

Leia na íntegra.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

6 dicas para fazer uma Pequena ou Micro Empresa crescer em 2017

1. Leve seu negócio para a internet já!

2. Mobilidade é a palavra-chave

3. Agilize o check-out para não perder clientes

4. Atraia o tráfego da internet para você

5. Ponha dinheiro para aumentar a receita

6. Não tire os olhos do fluxo de caixa

Se você conseguir seguir esses seis conselhos, 2017 terá tudo para ser um ano melhor para a sua empresa. Ninguém disse que seria fácil empreender, mas as oportunidades estão aí para quem tiver espírito vencedor e acreditar nas premissas do ano do galo.

Leia a matéria na íntegra.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter